segunda-feira, 29 de maio de 2017

Artigo - Como a Pornografia cria o cliente



Por: Gail Dines


- Trechos transcritos de várias palestras da feminista Gail Dines

Hoje eu quero falar sobre a construção social da masculinidade, especificamente da construção social do cliente.

Vamos partir do princípio de que homens não “são assim mesmo”. Na verdade, são socializados para serem clientes, estupradores, agressores de mulheres e cafetões.

Mas o que temos que entender e nos perguntar é: De onde vem isso? O que faz um homem chegar ao ponto de pagar por sexo com uma mulher que ele nunca viu na vida? Uma mulher que ele sabe muito bem que prefere estar em qualquer lugar do que ali e que provavelmente está nessa situação por ter sido abusada sexualmente, por ser pobre e estar desesperada?

Um dos fatores – não o único – mas um fator chave que leva os homens a procurarem prostitutas é a pornografia.

A pornografia é a principal fonte de “educação sexual” nos dias de hoje, não há nada mais poderoso como educação sexual do que ela, e vou falar de como a pornografia, a mídia e a cultura pop criam os clientes.

Mas como a mídia e a cultura pop fazem isso? Glamourizando a prostituição e ignorando, polindo e reabilitando clientes.

20417708

Vamos começar lembrando do filme “Uma Linda Mulher”.

Pensem na história: um cliente que se apaixona pela prostituta e eles vivem felizes para sempre.

Todos concordam que foi um sucesso, não? Faturou milhões. Bilhões provavelmente. E o que Hollywood faz sempre que um filme fatura milhões? Faz de novo, faz a parte 2.

Minha pergunta é: Cadê “Uma Linda Mulher 2”? Vamos imaginar como seria:
Eles fazem um lindo casamento entre a prostituta e o cliente e eles vão viver em uma linda casa. E um dia eles brigam, e então do que ele vai xingá-la?

“Sua puta”

“Sua puta imunda”

“Não discuta comigo porque senão, adivinha, te jogo de volta na rua de onde você veio!”

Me respondam uma coisa, quantas prostitutas vocês acham que vivem felizes para sempre com seus clientes?

Estão vendo porque eles não podiam fazer “Uma Linda Mulher 2”?

Mulheres foram assistir isso, não foram? E todo mundo amou, certo?

Esse é um sinal de quanto as mulheres estão colonizadas, de como o patriarcado está nas nossas mentes e molda quem somos.

Agora uma pergunta: Que ator estrela de Hollywood bateu tanto em uma mulher que ela acabou no hospital e o processou? Saiu em todos os jornais britânicos, mas nos EUA nem uma palavra: Jack Nicholson. 1

Se vocês não acreditam em mim, existe um laudo que está no processo feito pela prostituta. E o laudo diz como ele bateu e jogou ela de cabeça no chão porque não queria pagar pelo programa depois de ter feito sexo com ela e outra mulher.

Viram como a mídia colabora com o silêncio para manter isso invisível?

E naquele mesmo ano, depois disso ter acontecido, ele estava na primeira fila do Oscar e ninguém tocou no assunto.

Conhecem Eliot Spitzer? O cliente mais famoso dos Estados Unidos? 2

Sabem o que ele era antes de ser desmascarado como um cliente? Governador de Nova York. Antes de ser pego gastando 10.000 dólares por mês em prostitutas, sabem o que ele estava prestes a lançar? Uma campanha anti-prostituição. Ele era tão violento como cliente que era difícil achar prostitutas que aceitassem sair com ele. Ainda descobriram que ele traficava mulheres de um estado para outro. Ele foi “reabilitado” e agora tem um programa de TV. E sua esposa o apoia.

Mas o que leva homens como Charlie Sheen, Tiger Woods, Eliot Spitzer, Hugh Grant, Jerry Springer e Eddie Murphy se tornarem clientes?

Vamos analisar uma das forças sociais que constroem a masculinidade. A pornografia.


PORNOGRAFIA:

1 – É a legitimação cultural da compra e venda de mulheres.

2 – É a prostituição filmada: mulheres sendo pagas para fazer sexo. A diferença entre prostituição e pornografia é que você pode continuar vendendo a mulher quantas vezes quiser, mesmo depois de morta você pode vender sua imagem várias e várias vezes. Não existe limitação física das mulheres na pornografia, pois o sexo prostituído está gravado.

3 – É a representação visual do sexo prostituído.

4 – É o uso de mulheres traficadas sexualmente.

5 – É criadora de demanda.

Vou explicar como ela cria a demanda explicando como a Indústria Pornográfica funciona.

Sempre que eu falo sobre pornografia, me dizem que a pornografia sempre existiu, e eu concordo com isso. Desde o inicio dos tempos, sempre existiu pornografia.

Mas o que eu quero falar é sobre a Indústria Pornográfica.

A Industrialização do Sexo

É necessário conhecer e entender a Indústria Pornográfica para mudar a visão que temos sobre o assunto.

A indústria pornográfica começou em 1953 com a primeira edição da “Playboy”. Nunca antes na história uma revista pornográfica tinha circulado pelo mainstream do capitalismo. É por isso que temos que pensar nisso como uma indústria. Temos que analisar como um plano de negócios de um pequeno grupo de administradores de empresa pensando em como criar demanda e construir mercado.

É difícil ter estatísticas exatas, mas é uma indústria que movimenta aproximadamente 97 bilhões de dólares no mundo todo. E lembrem-se que 97 bilhões de dólares compram muitos políticos na América.

O montante de dinheiro que os pornógrafos investiram para o desenvolvimento da internet foi crucial para a sua criação. A internet não comanda a pornografia, a pornografia comanda a internet.

- 37% da internet é pornografia

- Existem mais de 26 milhões de sites pornôs

- A Indústria Pornográfica fatura 3.000 dólares por segundo

- 40 milhões de usuários consomem pornografia regularmente nos EUA

- 1 a cada 4 buscas do Google são por pornografia

- Mais de 1 terço de todos os downloads feitos são pornografia

- A cada ano são lançados mais de 13.000 filmes pornôs

Numa conferência recente, os pornógrafos anunciaram que estão investindo em desenvolvimento de celulares, pois em países em desenvolvimento muitas famílias têm apenas 1 computador em casa e os homens não conseguem baixar pornografia no meio da sala. Já com um celular, os homens podem achar um lugar sozinho para assistir pornografia. E onde a pornografia chega, o tráfico de mulheres e a prostituição vai atrás.

Esse é o nível de pesquisa que eles fazem para entrar em países superpopulados.

“A ‘corporatização’ da pornografia não é algo que acontece ou que vai acontecer, é algo que já aconteceu – e se você ainda não se ligou nesse fato, não há mais lugar nessa mesa pra você. É Las Vegas acontecendo de novo: os independentes, mafiosos renegados e empreendedores visionários sendo varridos pelas grandes corporações”. – Adult Video News, 2009

Pornografia não é um amontoado de imagens aleatórias, não é fantasia – fantasia acontece na cabeça, pornografia acontece nos bancos internacionais do capitalismo. Dois lugares completamente diferentes.

O que significa fazer parte da Indústria Pornográfica hoje:

- aumentar o capital

- contratar gerentes e contadores

- fazer fusões e aquisições

- fazer exposições comerciais

- fazer negócios com outras empresas (bancos, empresas de cartão de crédito, operadoras de TV a cabo, etc)

Cada vez que um homem compra pornografia, isso vai para um cartão de crédito. Agora imaginem quanto dinheiro as empresas de cartão de crédito ganham com isso. Agora pensem nas conexões entre a mídia mainstream e a pornografia.
Screen Shot 08-13-15 at 06.53 PM

Um exemplo de como essa conexão funciona são as RealDolls, mulheres de silicone “anatomicamente corretas” cuja lista de espera para comprar é de 6 meses. Todos os anos em Las Vegas acontece uma convenção pornô, eu fui lá e entrevistei o cara que estava no estande da RealDolls e perguntei: “Po rque você acha que os homens compram essas bonecas?”

Ele me olhou direto nos olhos e disse: “Isso os ajuda a desenvolver relacionamentos com mulheres”

OK… então perguntei: “Você já assistiu o filme ‘A Garota Ideal’ (Lars and the real girl)?

Sabem, o filme em que um cara se apaixona por uma boneca? Estrelando Ryan Gosling, uma grande estrela de Hollywood?

Ele me respondeu: “Se eu já assisti? Nós fomos os consultores do filme e no dia do lançamento nosso site caiu de tanto que os homens acessaram”

Quando lidamos com a Indústria Pornográfica, estamos lidando com um poder cultural, social e político que tem o poder de definir o panorama sexual, pois trabalham como qualquer outra indústria.

Concordamos que a indústria de alimentos molda a maneira que comemos, que a indústria da moda molda a maneira que nos vestimos, então como é possível que a indústria do sexo é única que não molda o comportamento humano?

Se a indústria pornográfica não molda a maneira como nos comportamos então tudo que sabemos sobre sociologia e psicologia está errado. Teríamos que concordar que todos nós nascemos com uma certa sexualidade e que ela se mantém intocada pela cultura, e sabemos que isso é impossível, sabemos que a sexualidade é construída pela cultura.

hustler-1978-meat

Quando eu falo de pornografia, que imagens vem a sua cabeça? Revista “Playboy”? Pessoas fazendo sexo? A revista "Playboy"está falida e só sobrevive porque vende sua marca e investe em outras empresas mais hardcore sob outros nomes para manter a sua marca “limpa”, a Penthhouse faliu e a Hustler se diversificou.

Quando eu comecei a estudar a pornografia, essa capa da Hustler era o pior que havia na época. Se alguém me dissesse a 15 anos atrás que aqueles eram “os bons tempos da pornografia”, eu diria que a pessoa estava louca. Se me falassem como a pornografia seria hoje eu diria: “De jeito nenhum, as pessoas não vão deixar isso acontecer”. Eu estaria errada.

Screen Shot 08-14-15 at 01.31 PM

É assim que a pornografia é hoje: não existe mais soft-porn (pornô leve) e hardcore (pornô pesado), o que existe é feature-porn (pornô “longa metragem”) e gonzo-porn (pornô “sem roteiros”).

O soft-core não existe mais porque migrou para a cultura pop. O nível de hipersexualização das artistas pop atuais seria considerado soft-porn 15 anos atrás. Hoje olhamos para a mídia e ficamos dessensibilizados a um nível de hipersexualização que é totalmente novo. E por causa dessa hipersexualização da cultura pop a pornografia teve que ficar mais hardcore para se diferenciar da MTVpor exemplo.

Para a indústria, o feature-porn é o que eles chamam de “mercado para casais”. É um filme de uma hora e meia, música suave, às vezes tem história, mas o sexo é hardcore. Os homens costumam mostrar esses filmes para as namoradas para elas se acostumarem com sexo hardcore.

No documentário “The price of pleasure” (O preço do prazer), por exemplo, um rapaz fala sobre como ele quer apresentar sexo anal para sua namorada mas não sabe como fazer, então ele pega um filme feature-porn, que sempre tem sexo anal, e espera o momento certo para propor sexo anal a ela: o momento em que ela não fizer mais careta para as cenas. Ou seja, quando um homem sugere assistir um feature-porn com uma mulher, geralmente ele quer que ela se anime a fazer sexo hardcore com ele. Resumindo, é esse tipo de pornô que homens e mulheres costumam assistir juntos. Mas quando homens estão sozinhos o que eles assistem mesmo é gonzo-porn (pornô “sem roteiros”): É assim que eles chamam o pornô pesado sem história nenhuma.

O “pai” desse tipo de pornô é um homem chamado Max Hardcore.

Screen Shot 08-13-15 at 09.42 PM

“Eu forço mulheres a beberem meu mijo, fodo elas com os punhos, destruo seus traseiros e cavo suas gargantas até elas vomitarem.” – Max Hardcore.

Ele é um sádico sexual e um dos donos da indústria gonzo. Ele, na verdade, inventou a pornografia com vômito. Este homem usa espéculos como instrumento de tortura em vaginas e ânus de mulheres.

Quando eu comecei minhas pesquisas 15 anos atrás e entrevistei pornógrafos da indústria, nenhum deles queria chegar perto do Max Hardcore, ninguém queria ser dono dessa empresa, ele era considerado muito extremo. Da última vez que estive em Las Vegas, ele tinha o maior estande no centro da convenção pornô e tinha a maior fila de autógrafos de lá. Ele agora é o centro da indústria pornográfica.

Não existe um jeito melhor de contar a história da pornografia do que contar a história da marginalização de Max Hardcore até sua chegada ao topo.

Para aqueles que não conhecem, no gonzo-porn é assim: não existem mulheres, apenas “vadias”, “putas”, “bucetudas” e “depósitos de porra”.

E por que isso? Porque você não pode deixar que o cara que vai se masturbar assistindo aquele sexo violento veja qualquer sinal de humanidade naquelas mulheres; porque na maioria das vezes os homens que chegam até esses filmes pornôs não são sádicos. Mas, a questão é, como fazer homens que não são sádicos sexuais se masturbarem vendo sexo sádico? Isso é um problema na indústria, porque vocês concordam que a maioria dos meninos de 13 anos não é sádico sexual ainda, não é mesmo?

Isso é muito importante. Porque quando você faz tráfico de mulheres você tem que mostrar que aquelas mulheres “são diferentes das que você conhece”. Você faz essa divisão porque quando chega a hora de assistir tortura sexual ninguém vai olhar nos olhos daquela mulher e ver um ser humano, mas sim uma “vadia”, uma “puta”.

Homens com frequência discutem comigo dizendo que as mulheres que fazem esse tipo de filme amam o que estão fazendo, e eu sempre rebato: “Você já pesquisou? Conversou com as atrizes?”

E eles respondem: “Dá para vê que elas gostam”.

E o mais interessante é que na verdade você vê o contrário. Elas são péssimas atrizes. Podemos ver que elas estão chorando, que elas estão chateadas e que no final elas estão completamente acabadas.

Screen Shot 08-13-15 at 10.38 PM

Qual é a principal prática do gonzo? Enfiar o pênis com tanta força na garganta da mulher que a faz engasgar. Engasgar mesmo. Lágrimas escorrem do seu rosto enquanto ela engasga e na maioria das vezes ela vomita, e o vômito fica lá visível durante o filme.

Essa é a prática número 1. E estou falando de pornografia mainstream. É isso que você encontra no Google em 15 segundos depois de digitar “pornô”. Isso nem é o pior que a indústria pornô produz, isso é mainstream.

Agora imagine um menino de 11 anos, hormônios aflorando, ele digita “pornô” no Google imaginando que vai ver alguns seios e é isso que ele encontra. Como eles o mantém no site? Os pornógrafos pensaram nisso muito bem:

“Sabe o que a gente diz sobre romance e preliminares? A gente diz FODA-SE! Esse site não é para meias-bombas tentando impressionar vadias metidas. A gente pega lindas putas e faz o que todo homem REALMENTE gostaria de fazer. A gente faz elas engasgarem até a maquiagem borrar e deixamos todos os outros buracos ardendo – vaginal, anal, dupla penetração e qualquer ato envolvendo um pinto e um orifício. E depois damos um banho grudento nelas.” – texto do site “Gag me and then fuck me”

Imaginem um menino de 12 anos, ele não sabe que vai assistir isso e se assusta, mas os pornógrafos planejaram isso muito bem, eles dizem “faz o que todo homem REALMENTE gostaria de fazer”. Essa é a isca. Eles estão dizendo para o menino: “Você é um homem de verdade? Porque se você for, é isso que você realmente gostaria de fazer”.

E o que vocês acham que um menino de 12 anos vai fazer? Vai fugir assustado porque não é um “homem de verdade”? Claro que não! Ele está construindo a sua masculinidade. E como você a constrói? Você vaga pela cultura se perguntando o que significa ser um homem. É assim que eles conquistam os meninos.

Assim como as mulheres vagam pela cultura se perguntando ‘o que significa ser uma mulher?’ e encontram Beyoncé, Lady Gaga e Rihanna, eles vagam pela cultura em encontram ISSO.

É como uma aranha espalhando a teia.

Os meninos acabam excitados e traumatizados. Essas crianças são vítimas da indústria pornográfica porque fazer isso com um menino de 12 anos é vitimá-lo e traumatizá-lo, pois não é isso que ele procura. Essa é a idade em que ele desenvolve suas preferências sexuais, e quanto mais ele desenvolve suas preferências sexuais pela pornografia mais a pornografia define quem ele é.

Quanto mais a pornografia define quem ele é, mais provavelmente ele vai se tornar um cliente. Porque quantas mulheres ele vai encontrar que vão fazer esse tipo de coisa? Ele vai querer fazer essas coisas. E é assim que a pornografia cria demanda.

Screen Shot 08-13-15 at 11.15 PM

Outra prática mainstream é o sexo anal extremamente violento. O objetivo desse tipo de pornografia é mostrar “o quanto essa vadia é suja”. Esse texto é de um famoso site gonzo:

“Aqui na Pure Filth nós sabemos exatamente o que vocês querem e damos isso para vocês. Gatas sendo fodidas no rabo até seus esfíncteres ficarem rosa, inchados e totalmente explodidos. Fraldas geriátricas vão esperar essas putas quando o trabalho delas acabar”.

Isso agora é mainstream.

Ninguém precisa ser Phd para entender o que isso significa: Nojo e ódio às mulheres numa idade em que os meninos estão desenvolvendo suas preferências sexuais.

Screen Shot 08-14-15 at 01.57 PM

Outra prática comum na pornografia é 1 mulher e 3 homens, onde ela é penetrada oralmente, vaginalmente e analmente ao mesmo tempo, enquanto puxam seu cabelo, cospem no seu rosto e a chamam de “puta”, “vadia”, etc. E no fim todos ejaculam no seu rosto.

Pesquisas apontam que a prática sexual que 80% dos homens tem vontade de fazer, mas nunca fazem é ejacular do rosto de uma mulher. De onde será que eles tiraram essa ideia?

Vocês tem noção que um pequeno grupo de homens em Los Angeles está construindo a preferência sexual dos meninos pré-adolescentes no mundo todo?

Isso é o que eu chamo de colonização cultural na sua pior forma. Porque quando você coloniza uma cultura sexualmente, você a coloniza por completo.

Um relatório médico da indústria pornográfica mostrou que atualmente as atrizes estão contraindo gonorreia na garganta e nos olhos e clamídia no anus. Vocês acham justo que a cada ano um grupo de mulheres de cada geração tenha que lidar com isso? Vocês acham que elas são diferentes de eu e você?

Antigamente o que os meninos adolescentes faziam quando os hormônios começavam a agir? Roubavam a “Playboy” do pai. Você tinha um acesso limitado a pornografia. Por pior que a “Playboy” fosse, ela não chegava aos pés do que a pornografia é hoje. Nunca antes uma geração de meninos foi criada com acesso 24 horas à pornografia pesada. Esse tipo de experimento social nunca foi feito antes.

E esses meninos vão crescer e se tornar políticos, advogados, médicos, ou seja, os líderes da próxima geração, pois quando eles crescerem ainda viveremos numa sociedade patriarcal.

E eu pergunto: que tipo de pais, advogados, juízes, vão se tornar esses homens criados pela pornografia gonzo?

Esse tipo de pergunta não está sendo feita. E como socióloga e estudiosa em pornografia eu posso garantir que haverá implicações que vocês ainda nem podem entender. Porque assim que você perde a habilidade de se conectar emocionalmente com alguém, que tipo de ser humano você se torna?

E qual é o futuro da pornografia?

Bom, a pornografia está num beco sem saída. Sabem por quê?

O problema que eles enfrentam hoje é o seguinte: Eles já fizeram tudo o que podiam com o corpo de uma mulher até quase matá-la. Não sobrou mais nada. E porque a pornografia é tão rentável, acessível e anônima e porque tantos homens a usam todos os dias, se instaurou uma total dessensibilização.

Porque o que faz o sexo ser interessante? A pessoa com a qual você está fazendo sexo e a conexão que se tem com ela. Mas a pornografia destruiu toda essa conexão e deu lugar ao nojo e ao puro ódio às mulheres.

Vejam o que disse um diretor de filmes gonzo:

“O problema com o mercado de sexo extremo, o sexo gonzo, é que tantos fãs querem ver coisas cada vez mais extremas que estamos sempre procurando novos caminhos para fazer coisas diferentes”

Bom, e sabem para onde a indústria pornográfica está indo?

Screen Shot 08-14-15 at 12.07 AM

Em 2003, a lei que proibia pornografia com mulheres de 18 anos que aparentavam ter menos de 18 anos foi derrubada. Do dia para a noite houve uma explosão do que eu chamo de “pornografia infantil legalizada”. Estão na sessão “teen” dos sites pornográficos.

O tipo de filme que temos hoje em dia é:

Screen Shot 08-14-15 at 12.09 AM"Primeira vez com o papai"

Screen Shot 08-14-15 at 12.11 AM"Puta do papai"

Screen Shot 08-14-15 at 12.12 AM"Tudo bem ela é minha enteada 7"

Vocês sabem quantas enteadas são estupradas? Isso não é coincidência.

Pedófilos costumam ir atrás de mulheres com filhos.

E onde tudo isso está nos levando?

Bom, a um tempo atrás entrevistei estupradores de crianças que não eram pedófilos.

Explico, nenhum deles se encaixava na descrição do que é um pedófilo – homens que em media aos 14 anos começam a molestar crianças e quando chegam na fase adulta deixam um rastro de centenas de vítimas.

Esses homens que entrevistei estavam presos por posse de pornografia infantil e por estuprar uma criança depois dos 50 anos, e quando eu perguntei se eles eram pedófilos eles ficaram ofendidos e disseram: “Claro que não! A gente prefere sexo com mulheres adultas!”

Então eu perguntei: “Mas se vocês não são pedófilos, por que estupraram crianças?”

E a resposta que eles me deram foi: “Ficamos entediados com a pornografia adulta e queríamos tentar algo novo”.

E sabem quanto tempo eles levaram para estuprar uma criança depois de ver pornografia infantil? 1 ano.

É isso que a sociedade fez: abriu as portas para uma nova geração de homens que nunca antes havia considerado uma criança como vítima, e agora considera.

Vocês conhecem o termo aliciamento não?

Aliciamento é quando um molestador foca numa vítima criança, mas ele não bate ou violenta, ele diz o quanto ela é especial, o quanto ela é legal, ele compra presentes, ele diz o quanto ela é gostosa até que chega um ponto em que a criança acredita que a coisa mais importante na vida dela é o quanto ela é atraente.

Nesse dia das entrevistas, eu aprendi uma lição valiosa sobre a nossa cultura, e ela não me foi dada por um acadêmico, mas por um estuprador que estava preso por violentar a enteada de 10 anos. Vou chamá-lo de Dick. Quando entrevistei Dick e perguntei como ele estuprou a criança ele disse:

“A cultura fez boa parte do aliciamento por mim”

Foi aí que a minha ficha caiu. Vivemos numa sociedade aliciadora. Não existe mais um único aliciador aliciando uma única criança de cada vez, o que existe é uma cultura inteira aliciando nossas meninas a se comportarem inapropriadamente de maneira sexual e aliciando nossos meninos a serem fãs de pornografia gonzo.

Nossa cultura se tornou um aliciamento coletivo.


Fonte: Portal Feminismo Radical / Jornal The Guardian (Reino Unido) / Portal Buzzfeed / Jornal The New York Times (EUA)

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Facebook Favoritos

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes