quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Portugal precisa de 900 mil imigrantes para crescer


António Correia de Campos, presidente do CES, que foi hoje ouvido na Assembleia da República no âmbito do debate na especialidade da proposta de Orçamento do Estado para 2017 (OE2017), foi questionado pela deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua sobre o impacto dos últimos dados do emprego e da emigração na sustentabilidade da Segurança Social.

Na resposta, Correia de Campos disse que podia avançar “duas notas fatuais” sobre esta matéria, salvaguardando que estas “não precisam da aprovação do colégio do Conselho para serem emitidas”, e afirmou que são precisos cerca de 900 mil imigrantes para conseguir um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 3%.

“Em relação à imigração, se nós quisermos ter crescimento à volta dos 3%, precisamos provavelmente de ter 900 mil trabalhadores imigrantes. Esperemos todos que este problema se venha a colocar”, afirmou o presidente do CES aos deputados.

O presidente do Conselho Económico e Social acrescentou que “a Europa tem sabido lidar pouco bem com as questões migratórias sobretudo nos últimos dois anos” e que “não é possível tratar destas questões sem acordos com os países de origem”.

Já quanto à emigração, Correia de Campos, que foi hoje ouvido pela primeira vez na qualidade de presidente do CES, afirmou que a informação disponível sobre esta parte da população portuguesa é escassa e não permite retratá-la com rigor.

“Sabemos muito pouco sobre quem são essas pessoas. Se perguntarmos aos representantes profissionais, dão-nos números gerais mas não temos um conhecimento rigoroso”, acrescentou.

No seu projeto de parecer sobre a proposta de OE2017, o CES defendeu que o relançamento do crescimento económico é urgente para Portugal, por ser essencial para ultrapassar os constrangimentos financeiros do país e as dificuldades das famílias.

O Conselho liderado por Correia de Campos entende que “relançar o crescimento económico é hoje […] um imperativo de grande urgência, uma vez que é uma condição necessária para ultrapassar os constrangimentos financeiros e também a difícil situação que muitas famílias continuam a enfrentar”.

“Uma política de investimento destinada ao relançamento do crescimento econômico deverá ser globalmente coerente e devidamente planeada e consensualizada. A este propósito, o CES não pode deixar de relembrar as múltiplas propostas que, no passado, formulou a este respeito”, disse o Conselho no documento.


Fonte: Portal Europamos

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Facebook Favoritos

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes