segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Entrevista - ‘Mídia brasileira usou seu poder para legitimar golpe de direita’, afirma referência mundial da análise do discurso


Após meses de intenso debate nacional e de massivas manifestações, o Senado brasileiro destituiu a presidente Dilma Rousseff, processada por crime de responsabilidade na gestão do orçamento nacional. O caso, ainda que recente, já serve de objeto de estudo para muitos pesquisadores do campo da análise do discurso, que buscaram entender como, em tão pouco tempo, a então presidente perdeu o apoio parlamentar e de boa parte da população.

O Portal UFMG conversou com Teun van Dijk [foto], professor da Universidade Pompeu Fabra, de Barcelona, e analista especializado em mídia e estudos de linguagem do discurso político. Docente visitante do Instituto de Estudos Políticos e Sociais (Iesp), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), ele participou do IV Simpósio Internacional sobre Análise do Discurso (Siad), realizado no campus Pampulha, neste mês. No evento, van Dijk ministrou conferência sobre manipulação política, apresentando os resultados de pesquisa em que analisou estratégias de manipulação do discurso de editoriais do jornal O Globo.

Segundo o professor, a análise do discurso é uma ótima ferramenta para entender o poder das palavras e do discurso político. “É preciso entender por que milhões de pessoas foram às ruas não apenas para protestar contra a corrupção, que envolve muitos políticos e grandes corporações, mas também contra Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula e o PT.”


O senhor afirma que existem dois tipos de manipulação: a micromanipulação e a macromanipulação. Qual a diferença entre elas? Como elas agem?

De maneira geral, a manipulação é um ato discursivo ilegítimo de uma organização ou instituição dominante para controlar, segundo seu próprio interesse, a mente de pessoas. A manipulação macro aparece tanto nos discursos da mídia como nos discursos políticos. Já a manipulação micro figura nas palavras e orações, podendo ser analisada no plano local de cada discurso.

Em sua pesquisa, o senhor observa a manipulação por meio de análises de editoriais do jornal O Globo. Por que o senhor escolheu esse veículo? 

É preciso entender por que milhões de pessoas foram às ruas não apenas para protestar contra a corrupção, que envolve muitos políticos e grandes corporações, mas também contra Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula e o PT. O Globo é o segundo maior jornal do país, e a Rede Globo tem o monopólio da televisão por meio do Jornal Nacional. Escolhi esse jornal devido à influência do grupo midiático ao qual está vinculado sobre milhões de pessoas. Mas todas as conclusões a que chegamos também se aplicam ao jornal Folha de São Paulo, à revista Veja e a outros veículos de comunicação brasileiros.

Como a mídia pode utilizar seus discursos para manipular as pessoas?

Existem muitas estratégias discursivas que podem ser usadas, como o uso de léxico muito negativo. No caso do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, pudemos observar o uso de números para exagerar o tamanho das manifestações contra o PT e contra a Dilma, a apresentação de suspeitas e acusações como fatos concretos, a celebração de que a "rua" era a favor do impeachment – desconsiderando a parcela da "rua" que protestava contra o golpe – e o jogo das noções de legalidade e ilegalidade – ao dizer, por exemplo, que alguns grampos telefônicos eram legais e outros não.

O Globo utilizou muitas estratégias para fazer essa manipulação. Ele fez uma demonização seletiva do PT, do ex-presidente Lula e da ex-presidente Dilma Rousseff. A corrupção divulgada de forma seletiva pelo jornal legitimava o impeachment e as manifestações da classe média conservadora, deslegitimando a acusação de que o processo era um golpe. Os jornais brasileiros usaram o seu poder e monopólio informativo para legitimar um golpe político de direita.

Quais as especificidades da mídia brasileira, se comparada às mídias da Espanha e da França? Nós somos mais manipulados que os europeus?
Não podemos generalizar. Há veículos na Europa, como os tabloides ingleses, por exemplo, que manipulam seus leitores ao abordarem temas como a imigração e os refugiados. O problema aqui no Brasil é que a mídia conservadora é dominante (propriedade de poucos grupos familiares ricos), sobretudo na televisão. Faltam jornais mais progressistas.


Como os brasileiros podem se proteger da manipulação da mídia?
Primeiramente, precisamos de um ensino crítico, desde o ensino básico até a universidade, para educar cidadãos críticos. Em segundo lugar, precisamos usar a mídia alternativa, sobretudo na internet. Em terceiro, temos que criticar, analisar e denunciar sempre, também internacionalmente, visto que os veículos se preocupam com suas reputações no exterior.


Qual a importância da análise do discurso como ferramenta para controle e entendimento do poder da mídia?
A análise crítica do discurso é uma ferramenta muito útil em muitas disciplinas humanas e sociais. Ela serve como objeto de resistência e crítica à manipulação da mídia, da política e do comércio.


Fonte: Portal da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Facebook Favoritos

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes