domingo, 9 de outubro de 2016

Artigo - Mulheres negras, moda e racismo


Artigo: Maressa de Sousa*

Temos assistido alguma mudança na relação entre mulheres e presença midiática, isso é fato. Tendo a pensar que essa inclusão é resultado da cobrança por mais representatividade puxada por movimentos sociais e pela própria mobilização das redes sociais. Então não estamos falando aqui de concessão, mas do resultado de debates que já vem sendo feitos no sentido de valorização da estética negra.

Existem mais mulheres negras na moda, mais produtos voltados para cabelos cacheados e crespos, maquiagens para pele negra. Pode parecer bobagem, mas para muitas de nós encontrar produtos específicos como uma base que funcione para o nosso tão de pele já foi coisa extremamente complicada. Claro que há um interesse mercadológico aí, a indústria de cosméticos no Brasil está entre as maiores do mundo e sabe captar bem o momento. Mas não dá para negar que para muitas pessoas esse processo é muito importante.

Pra muitas de nós, ver uma negra do outro lado da tela ou na capa de uma revista é se sentir representada por ela. Isso fica evidente, principalmente se considerarmos que por muito a representação de mulheres negras na televisão por exemplo, se reduzia a papéis secundários e baseou-se em estereótipos do modo como as mulheres negras se comportam e se colocam: a favelada barraqueira, a empregada “atrevida” que se mete na vida dos patrões, e por aí vai.

Recentemente alguns casos começaram a chamar muita atenção e contribuem para engrossar o caldo dessa discussão sobre representação midiática e racismo. Por aqui, a lindíssima Raíssa Santana acaba de conquistar o título de Miss Brasil. Lá fora, a modelo senegalesa Khoudia Diop também tem feito sucesso. Mas em muitos desses casos há sempre uma dualidade. Se por um lado observamos que existe uma luta pela representação de mulheres negras nesses espaços, por outro alguns acontecimentos insistem em dizer que este não é nosso lugar. São muitos os ataques direcionados à imagem dessas mulheres nas matérias sobre o assunto e nesse escopo vale abrir um parêntese aqui para lembrar também de notícias relacionadas à estética negra e ao racismo que incide sobre nossos corpos. Na vida cotidiana por vezes estudantes são impedidos de se rematricular por seu cabelo black, profissionais são constrangidos por seus empregadores por usarem o cabelo natural, alguém é barrado porque seu cabelo é considerado volumoso demais para uma foto 3×4.
Quem define que nossos cabelos ou nossos corpos não se encaixam no padrão? Quem foi que definiu que cabelo crespo não combina com ambiente escolar ou com determinado posto de trabalho?

Foto: Lucas Ismael (Divulgação Miss Brasil)
Miss Brasil 2016 - Raissa Santana


Me chama atenção que por vezes, quando uma mulher negra chega a uma posição de destaque como é o caso da nossa lindíssima Miss Brasil, uma discussão paralela tem início. Basta ter um pouquinho de curiosidade e estômago forte para ler os comentários das matérias e atestar que a presença negra em certos espaços incomoda. E se existe discussão, é porque a presença negra criou a fratura, uma quebra no script.

Antes do Miss Brasil, me lembro de ter visto um comentário sobre a vitória de uma miss negra num estado que sugeria a necessidade de criar um concurso separado só para negras, porque segundo a perspectiva daquela pessoa as candidatas negras não deviam ser comparadas à beleza das candidatas brancas. Com isso fiquei pensando que a presença de pessoas brancas em espaços de destaque por vezes não é discutida, passa batido dentro dessa suposta normalidade das nossas relações sociais. Mas se uma negra alcança esse lugar a situação muda de figura.

Acrescentando mais pimenta, me pergunto também quem fica de fora. Essa inclusão que estamos tratando é importante mas ela continua obedecendo a um certo recorte. Acho que vale observar que a inclusão não é total. Por mais que existam mulheres negras que estão na mídia e na moda, existem muitas outras de fora. Por vezes permanece o padrão de magreza por exemplo.

Foto: @islandboiphotography / Divulgação: @melaniin.goddess
Khoudia Diop


Recentemente a modelo senegalesa Khoudia Diop virou notícia e muito se comentava sobre a beleza da tonalidade escura da sua pele. Por outro lado, para algumas pessoas sua cor é “escura demais”. Em outras palavras, “escura demais” pra ser considerada bonita. E mais do que isso: de acordo com um desses comentários ela é escura demais pra ser considerada humana e pertenceria a “outro estágio de evolução”. Somam-se a esse tipo de comentário também os comentários machistas que insistem na sexualização da mulher negra e que colocam em questão se seria desejável ou não manter uma relação sexual com a modelo.

Isso me leva a pensar que existem traços físicos mais aceitos que outros, mesmo quando estamos falando da inclusão de mulheres negras. Traços como cabelo crespo, largura do nariz, tamanho dos lábios, tom de pele, etc; são alvo de discriminação. Nesse sentido, o racismo acaba por apontar quem serão os sujeitos tolerados e quais ficam de fora.

Há quem use a presença de homens e mulheres negras em posições de destaque como uma espécie de confirmação da existência de uma democracia racial. No caso sobre a vitória de uma Miss negra muita gente opinava no sentido de que “pouco importa se a miss é negra, ela é linda, chegou por mérito dela”. O que reflete esse imaginário de uma democracia racial sem conflitos.

Mas a gente sabe que a coisa não funciona bem assim. Pensar que “tudo vai bem, obrigado” e que não precisamos discutir o racismo nas nossas relações é um problema porque essa perspectiva acaba por omitir as mais diversas formas como o racismo se manifesta. Por vezes não está declarado, direto. Está lá nas minúcias. Se “não importa a cor”, porque o Brasil permaneceu por 30 anos sem coroar uma Miss Negra?

Estou querendo dizer com isso que a presença de mais homens e mulheres negras na tv, nas revistas, nas propagandas ou nas passarelas é muito positiva e contribui para mais representatividade. Isso é também parte das nossas lutas. Mas isso ainda não representa uma mudança de quadro, por isso permanece a necessidade de discutir racismo no Brasil e de apontar para o lugar de desigualdade no qual a população negra se encontra.**


* Maressa de Sousa é graduanda em Ciências Sociais na UFMG, bolsista do Nepem, Núcleo de Estudos e Pesquisas Sobre a Mulher, e redatora no site Cacheia!


** Este texto é uma adaptação de entrevista concedida ao Programa Conexões, da Rádio Educativa da UFMG. - Leia a matéria completa em: http://scl.io/leDUZ2fN#gs.7DYZf6w


Fonte: Portal Geledes

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Facebook Favoritos

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes