segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Soldado transgênera se torna 1ª mulher a servir na linha de frente do Exército britânico

Chloe Allen, de 24 anos, entrou para as Forças Armadas como homem, mas iniciou tratamento de terapia hormonal e mudou oficialmente seu nome


Uma soldado transgênera de 24 anos se tornou a primeira mulher a servir na linha de frente do Exército britânico.

Natural de Cúmbria, no nordeste da Inglaterra, Chloe Allen entrou para as Guardas Escocesas como homem em 2012, mas iniciou um tratamento de terapia hormonal no mês passado, e mudou oficialmente seu nome.

O Exército disse que estava "muito feliz" de ter a primeira mulher em uma função de combate corpo a corpo.

Em julho deste ano, o então primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron autorizou, a partir de uma orientação do comando do Exército, que mulheres pudessem servir na linha de frente.

O recrutamento deve começar no final deste ano.

Mas Chloe, cuja identidade foi alterada, foi informada de que poderia permanecer na infantaria, como mulher.

Em entrevista ao jornal britânico The Sun, ela disse ter ficado "aliviada" ao poder falar abertamente sobre sua situação.

Chloe afirmou que inicialmente acreditava que seria obrigada a deixar o posto.

Mas disse ter falado com o departamento de RH do Exército, ao que foi informada que poderia continuar no cargo de fuzileiro e motorista de blindado.

Chloe, cuja identidade foi alterada, foi informada de que poderia permanecer na infantaria, como mulher


Aceitação

"Toda a minha documentação com o Exército, dentro do batalhão, foi mudada e resolvida. Meu passaporte também será alterado em breve", disse ela.

"É fenomenal, é magnífico...dizer tudo o que eu sempre quis dizer e ainda servir na infantaria", acrescentou.

O Exército britânico mantém uma política específica para homens e mulheres militares transgêneros desde 1999.

No ano passado, a capitã Hannah Winterbourne, que se tornou a militar transgênera com a mais alta patente no Exército britânico, falou de sua transição e também como se tornou modelo para outros militares transgêneros.

James Everard, comandante da unidade de Exército de campanha do Reino Unido, afirmou: "Estamos muito felizes em ter nossa primeira mulher servindo em uma unidade de combate corpo a corpo".

"As Forças Armadas estão provando ser uma organização inclusiva onde todo mundo é bem vindo e pode crescer (na carreira)", acrescentou.


Fonte: Jornal BBC Brasil (Reino Unido)

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Facebook Favoritos

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes