domingo, 4 de setembro de 2016

No DF, cerca de 1 milhão de pessoas circulam sem o cinto de segurança


Usar o cinto de segurança é uma exigência da lei brasileira há quase meio século. Ainda assim, somente no Distrito Federal, cerca de 1 milhão de pessoas circulam pelas ruas sem o equipamento de proteção. O risco também é alto entre os adolescentes. Pelo menos 23,6% dos estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental do DF andaram no banco da frente ou no de trás sem o cinto. No Brasil, o percentual é ainda maior: 33,6% desses passageiros não adotaram a precaução.

Os números são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde 2013, um terço dos entrevistados disse não usar o equipamento no banco de trás, e outros 7% não o colocam quando estão ao volante. O desrespeito é visto diariamente nas ruas, mas apenas parte dos infratores acaba punida. Entre janeiro e agosto deste ano, 78.166 multas foram emitidas pelos órgãos de fiscalização. Durante todo o ano passado, foram 19.492 flagrantes. Esse número é oito vezes menor do que o de entrevistados que assumiram ignorar as normas de segurança.

Aos 63 anos, o microempreendedor Carlos Roberto Domingos envolveu-se, por duas vezes, em acidentes de trânsito. Em ambas, estava sem o equipamento de proteção. Há 41 anos, no Eixo Monumental, ele dirigia e um primo ia no banco do passageiro. “A pancada foi tão violenta que a porta se abriu e ele (primo) foi ‘cuspido’ para fora. Eu fui jogado do banco do motorista para o banco do passageiro”, relembra. Por sorte, os dois saíram sem ferimentos graves.

Mesmo após essa experiência, Carlos dificilmente se lembrava de colocar o cinto. Há um ano e três meses, se envolveu em nova batida quando saía de casa, na Cidade Ocidental (GO). Com o choque, quebrou um osso do ombro. Desde então, passou a ser mais vigilante. “Entro no carro, penso no acidente e coloco o cinto. Essa história é um problema. Não se faz campanha direito e a gente acaba esquecendo”, critica.


Conscientização

Durante os Jogos Olímpicos, no Mané Garrincha, até mesmo a fiscalização se surpreendeu com a quantidade de condutores, passageiros e até crianças que dispensaram o acessório. “Foram 328 autos por falta de cinto e 421, por estacionamento irregular”, revela o diretor de Policiamento e Fiscalização do Detran, Silvain Fonseca.

Vários fatores podem explicar a negligência de motoristas e de passageiros. Entre eles, citam-se a correria diária; a sensação de impunidade, e o fato de algumas pessoas acreditarem que nada vai acontecer durante o trajeto. Mas, via de regra, quando há um acidente em que a vítima foi arremessada para fora do veículo, ela estava desprotegida, solta no banco. Na maioria absoluta dos casos, a pessoa morre no local devido à gravidade dos ferimentos.

No Brasil, uma das primeiras regulamentações sobre a obrigatoriedade do cinto está na Resolução 391, de maio de 1968. Mas a cobrança veio apenas em 1998, quando passou a vigorar o novo Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Até então, o equipamento só era exigido nas rodovias, e o texto da lei anterior não deixava claro se os ocupantes do banco de trás deveriam colocá-lo.

Mais informações no jornal citado na fonte.


Fonte: Jornal Correio Braziliense

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Facebook Favoritos

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes