domingo, 11 de setembro de 2016

Mulheres que Fizeram a História: Margaret Anstee, a primeira mulher em alto cargo da ONU


O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, prestou homenagens na última quinta-feira (8) a Margaret Joan Anstee – que trabalhou nas Nações Unidas por 41 anos e foi a primeira mulher a ser nomeada para um dos mais altos cargos da Organização. Anstee faleceu no dia 25 de agosto e seu funeral foi realizado nesta sexta-feira (9).

“Até o final de sua vida, Margaret Anstee lutou para uma maior cooperação internacional e ação coletiva para a paz, para o desenvolvimento sustentável e para os direitos humanos”, disse Ban.

“Ela era uma verdadeira cidadã global, cuja carreira é um poderoso testemunho do poder dos indivíduos de fazer a diferença em nosso mundo”, acrescentou.

O dirigente máximo da ONU observou que Anstee se dedicou durante muitos anos a trabalhar em condições difíceis nos países em desenvolvimento em todo o mundo.

Em diferentes momentos de sua carreira, ela foi responsável, entre outras coisas, pela entrega de ajuda humanitária em Bangladesh e no México; por ajudar crianças de Chernobyl após o acidente nuclear; e por executar operações de paz em Angola.

Nascida em 1926 na Inglaterra rural, ela se formou na Universidade de Cambridge em 1944 – três anos antes de a instituição começar a admitir mulheres à graduação completa – e depois avançou nos estudos antes de se juntar às Nações Unidas, em 1952.

O então secretário-geral da Onu, Kofi Annan, se reúne com Margaret Anstee.


Anstee passou os primeiros anos de sua carreira trabalhando em projetos de desenvolvimento em missões de campo em todo o mundo, e foi nomeada a primeira mulher representante residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), atuando no cargo em oito países diferentes na África, Ásia e América Latina.

Em 1987, ela se tornou a primeira mulher a ser nomeada para o posto de representante especial do secretário-geral, um dos mais altos cargos das Nações Unidas.

“Anstee trouxe muita energia, humildade, coragem e um senso de aventura para tudo o que ela fez”, declarou o secretário-geral.

Ban destacou que ela atuou ao mesmo tempo como o diretora-geral do escritório das Nações Unidas em Viena e chefe do Centro de Desenvolvimento Social e Assuntos Humanitários, coordenando todos os programas de controle de drogas da ONU.

Ela também foi a primeira mulher escolhida para liderar uma missão de paz da ONU – a Missão de Verificação das Nações Unidas em Angola (UNAVEM II), fundada em 1991 e concluída em 1995 –, e serviu como representante especial do secretário-geral no país africano.

Fundada em 1991 e concluída em 1995, a UNAVEM II teve o mandato de verificar as modalidades acordadas pelas partes angolanas do cessar-fogo durante a guerra civil do país.

“Anstee sempre esteve ciente de seu papel como uma pioneira”, disse Ban. “Ela nunca recuou por medo e pediu que as mulheres se apoiassem mutuamente. Ela era uma inspiração para as gerações de mulheres diplomatas que seguiram seus passos.”

Após sua aposentadoria, ela escreveu, em 1994, um relatório para a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento e atuou como conselheira para o governo da Bolívia. A partir de 1996, ela se tornou assessora do Departamento de Assuntos Políticos e Operações de Manutenção da Paz da ONU e ajudou no treinamento de tropas cujos integrantes são conhecidos como ‘capacetes-azuis’.

Confira outras fotos de Margaret Anstee aqui e aqui.


Fonte: Portal da ONU

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Facebook Favoritos

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes