segunda-feira, 13 de junho de 2016

As Brutais Atrocidades Belgas na África (e o "Grande Esquecimento")


Leopoldo II nascido em Bruxelas, a 9 de abril de 1835 morto em Laeken, a 17 de dezembro de 1909, foi o segundo rei dos belgas. Era o segundo filho do rei Leopoldo I, a quem sucedeu em 1865, permanecendo rei até sua morte. Foi irmão da imperatriz Carlota do México e primo-irmão da rainha Vitória do Reino Unido.

Os escravos que eram considerados "preguiçosos", estavam sujeitos a uma punição brutal.



O regime da colônia africana de Leopoldo II, o Estado Livre do Congo, tornou-se um dos escândalos internacionais mais infames da virada do século XIX para o XX. O relatório de 1904, escrito pelo cônsul britânico Roger Casement, levou à prisão e à punição de oficiais brancos que tinham sido responsáveis por matanças a sangue frio durante uma expedição de coleta de borracha em 1903 (incluindo um indivíduo belga que matou a tiros pelo menos 122 congoleses).

Leopold acreditava fervorosamente que colônias ultramarinas foram a chave para a grandeza de um país, e trabalhou incansavelmente para adquirir território colonial para a Bélgica. Leopold, eventualmente, começou a adquirir uma colônia de modo privado, como um cidadão comum. O governo belga emprestou-lhe dinheiro para este empreendimento.

Leopoldo II


Em 1868, quando Isabel II foi deposta como Rainha da Espanha, Leopold tentou tirar proveito de seu plano original para adquirir as Filipinas. Mas sem fundos, ele não teve sucesso. Leopold então concebeu outro plano mal sucedido como estabelecer as Filipinas como um Estado independente, o que poderia, então, ser governado por um belga. Quando ambos os planos fracassaram, Leopold mudou suas aspirações de colonização para a África.

Mapa Belga do Congo de 1884


Em 1876 Leopold organizou uma companhia privada disfarçada como uma associação científica e filantrópica internacional, o que ele chamou de Sociedade Internacional Africana, ou a Associação Internacional para o Estudo e Civilização do Congo.

Incontáveis mulheres e crianças tiveram seus braços cortados fora, simplesmente porque suas famílias não conseguiram bater a cota de trabalho.



Em 1878, ele contratou o famoso explorador Henry Stanley para explorar e estabelecer uma colônia na região do Congo. Grandes manobras diplomáticas resultaram na Conferência de Berlim de 1884-1885 sobre assuntos africanos, em que representantes de catorze países europeus e os Estados Unidos, reconheceram Leopold como soberano da maior parte da área para a qual ele e Stanley haviam reinvidicado. Em 05 de fevereiro de 1885, o Estado Livre do Congo , uma área 76 vezes maior do que a Bélgica, foi estabelecido sob as regras pessoais e exército privado de Leopold II, a "La Force publique".

Escravos seguram as mãos de quem havia acabado de ser amputado. (Aparentemente, forçados a segurarem as mãos, apenas para tomarem a foto. NDT. ONE)




Leopold, em seguida, acumulou uma enorme fortuna pessoal através da exploração do Congo. O primeiro foco econômico da colônia era o marfim, mas esta não deu os níveis esperados de receita. Quando a demanda global por borracha explodiu, as atenções se voltaram para o trabalho intensivo de coleta de seiva de seringueiras.

Braços cortados


Abandonando as promessas da Conferência de Berlim na década de 1890, o governo do Estado Livre restringiu o acesso externo e forçou os nativos a trabalharem como escravos. Abusos, especialmente na indústria da borracha, incluído a efetiva escravização da população nativa, espancamentos, assassinatos generalizados, e frequente mutilação de homens, mulheres e crianças quando as cotas de produção não eram cumpridas.

Um escravo observa com tristeza, a mão e o pé amputado da própria filha.


O autor e jornalista norte-americano Adam Hochschild, em seu livro King Leopold's Ghost, escreveu que houve um "grande esquecimento" depois que o rei transferiu a posse de sua colônia à Bélgica. Ele cita várias linhas de investigação, pelo antropólogo Jan Vansina e outros, que analisaram fontes locais (registros policiais, registros religiosos, tradições orais, genealogias, diários pessoais, e "muitos outros"), que geralmente concordam com a avaliação da comissão do governo belga de 1919: cerca da metade da população pereceu durante o período de Estado Livre.

Esta menina teve a mão e o pé amputados


Hochschild lembra que, em sua visita ao Museu Real da África Central na década de 1990, nada era mencionado a respeito das atrocidades cometidas no Estado Livre do Congo. Outro exemplo dado por Hochschild é o monumento, em Blankenberge, de um colono "trazendo a civilização" com uma criança negra aos seus pés, ilustrando mais o chamado "grande esquecimento". Adam Hochschild dedicou um capítulo inteiro do seu livro ao problema da estimativa do total de mortes...Chegando a um número aproximado de 10 milhões de pessoas.

Para mais informações e fotos, acesse: http://www.omundoreal.com/2016/02/as-brutais-atrocidades-belgas-na-africa.html


Fonte: Portal Rusmea / Portal Curionautas / Blog O Mundo Real

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Facebook Favoritos

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes