domingo, 8 de maio de 2016

Passo a passo: como os Estados Unidos criou o Estado Islâmico


A criação do Istado Islâmico por parte dos Estados Unidos, passou por três etapas: a destruição de regimes seculares e estabilizadores do Iraque e Síria e o apoio aos fundamentalistas sunitas contra Assad, segundo o historiador Robert Freeman.

"A coisa mais importante a entender sobre o Estado Islâmico é que ele foi criado pelos Estados Unidos", afirma o historiador Robert Freeman no Portal de notícias "Common Dreams". Segundo Robert sua criação passou por três etapas importantes.

A primeira fase de criação do grupo Estado Islâmico surgiu durante a guerra do Iraque e a derrubada do governo secular de Saddam Hussein.

Segundo o autor, o regime de Hussein era "corrupto, mas estabilizador", durante seu governo não havia Al Qaeda no Iraque e o Estado Islâmico está enraizada precisamente na Al Qaeda.

Além disso, EUA deixou o poder no Iraque com metade da população que é sunita nas mãos de um governo xiita. O fato de que o Exército iraquiano e Curdo (peshmerga) tenham sido derrotados pelo Estado Islâmico é porque eles preferem se aliar com seus correligionários jihadistas sunitas que se juntar com seus "adversários religiosos" xiitas , diz o historiador.

A segunda etapa foi na campanha contra o governo de Bashar al Assad na Síria. O presidente sírio contava com uma força que por muitos anos manteve "uma paz relativa" a um conjunto de seitas religiosas existentes no país, afirma Freeman. Em suas tentativas de desestabilizar o governo da Síria, os EUA ajudou o "precursor" do Estado Islâmico no país, entre os quais, segundo o autor, é o Front-Nusra.

A terceira etapa da formação do Estado Islâmico veio quando o governo dos Estados Unidos juntamente com a Arábia Saudita e Turquia se organizaram para financiar e apoiar os rebeldes na Síria", que, de acordo com Freeman, já era um "pré-Estado Islâmico".

A Arábia Saudita, professa em sua fé principalmente, o Wahhabism, uma das versões mais "virulentas e agressivamente anti-ocidental" do Islã. Isso explica por que 15 dos 19 sequestradores terroristas de 11 de setembro de 2001, eram sauditas e do próprio líder da Al Qaeda Osama bin Laden.

Por sua vez a Turquia persegue seus próprios interesses na região, algo demonstrado pelo fato de que este país ", que financiou e promoveu o Estado Islâmico" não se juntou aos ataques aéreos atuais promovidos pelos EUA e seus aliados contra posições do grupo jihadista na Síria.

A Turquia não está interessada em fortalecer os combatentes Curdos contra o Estado islâmico, pois dessa forma poderia estar fortalecendo a formação de um Estado Curdo, lembrando que "uma parte dele seria hoje o território turco", diz Freeman.

Apesar de ter criado o Estado Islâmico, Os EUA mostram uma fragilidade na hora de combate-lo devido a uma ausência de uma "estratégia coerente". Neste sentido, os "rebeldes moderados" que os EUA treinaram na Síria contra Assad agora se recusam a lutar contra o Estado islâmico, fato que segundo o autor, não é surpreendente, uma vez que estes rebeldes jihadistas os deram armas fornecidos pelos EUA, lembra o autor.

"As forças mais capazes de derrotar o Estado Islâmico" no curto prazo, conclui ele, são a Rússia, a Síria e o Irã.

Mas os Estados Unidos preferem ver uma situação se agravar ainda mais com os terroristas do que ver eles serem vencidos por seus inimigos, conclui o historiador Robert Freeman.


Sobre o autor: 

Robert Freeman é o autor de The Best One-Hour History Series, que inclui a Primeira Guerra Mundial, a Guerra do Vietnã, a Guerra Fria, e outros títulos.


Fonte: Portal Guia Global

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Facebook Favoritos

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes