segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Com cartilha, igrejas nos EUA ensinam negros a 'sobreviver a abordagens policiais'


No último domingo de julho, os fiéis de uma tradicional igreja de maioria negra em Washington não receberam apenas bênçãos e lições sobre a Bíblia: cada um voltou para casa com um guia com "dez regras para sobreviver se for parado pela polícia".

Impressa no folheto com a programação do culto, a cartilha entregue pela Igreja Batista Shiloh foi elaborada em resposta a episódios recentes de violência policial contra americanos negros que ganharam repercussão internacional.

Um dos casos, a morte do jovem Michael Brown em Ferguson (Missouri), completou um ano no domingo e foi relembrada em protesto que terminou com 150 detidos e um homem baleado pela polícia.

O guia distribuído na igreja orienta os fiéis a manter a calma e evitar o confronto com policiais em qualquer circunstância, mesmo quando acharem que seus direitos foram violados.

"Lembre que sua meta é chegar em casa em segurança", diz o segundo 'mandamento' do texto (veja no quadro).

Responsável pela iniciativa, o pastor Thomas Bowen diz à BBC Brasil que agiu para evitar que casos como o de Michael Brown e Sandra Bland se repitam.

Abordado após furtar cigarrilhas, Brown – que estava desarmado – morreu após levar seis tiros durante uma briga corporal com um policial branco. O episódio provocou uma série de protestos (pacíficos e violentos) em Ferguson e várias outras cidades americanas.

Em julho, Sandra Bland foi encontrada morta em uma prisão do Texas três dias após ser parada por um policial por uma infração leve de trânsito. Abordada, ela se recusou a apagar o cigarro, o que levou o agente a forçá-la a sair do carro e ameaçar queimá-la com seu aparelho de eletrochoque.

Embora uma autópsia tenha revelado que ela se suicidou na cela, o caso reforçou as críticas dos que consideram que a polícia americana trata os negros com violência desproporcional. Muitos argumentaram que, se fosse branca, Bland dificilmente teria sido detida.

Bowen afirma que, ao publicar a cartilha, queria que os membros da igreja – em sua maioria sexagenários – a "levassem para casa, mostrassem aos netos e vizinhos, quem sabe a pusessem na geladeira". Seu objetivo era estimular que as famílias conversassem sobre os riscos de abordagens policiais.

"Muitas vezes as pessoas sentem que precisam dizer algo (sobre o tema), mas não sabem como. Essas dez regras vão ajudá-las a ter essa conversa."

Elaborado pelo ativista e escritor negro David Miller e transformado em vídeo por uma igreja de Chicago, o guia defende que pessoas que sofrerem abusos em abordagens policiais só se pronunciem sobre os incidentes após se encontrarem com um advogado ou defensor público.

Segundo a cartilha, uma pessoa abordada jamais deve resistir à prisão, mesmo se for inocente.

Dez regras para sobreviver se for parado pela polícia
1. Seja educado e respeitoso se parado pela polícia. Mantenha a boca fechada.
2. Lembre que sua meta é chegar em casa em segurança. Se sentir que seus direitos foram violados, você e seus parentes têm o direito de fazer uma queixa em sua jurisdição policial.
3. Em nenhuma circunstância discuta com a polícia.
4. Sempre lembre que tudo que disser ou fizer pode ser usado contra você na Justiça.
5. Mantenha suas mãos à vista e se certifique de que a polícia pode vê-las o tempo todo.
6. Evite o contato físico com a polícia. Não faça nenhum movimento súbito e mantenha as mãos longe dos bolsos.
7. Não corra, mesmo que tenha medo da polícia.
8. Mesmo se acreditar que é inocente, não resista à prisão.
9. Não se pronuncie sobre o incidente até se encontrar com um advogado ou defensor público.
10. Fique calmo e mantenha o controle. Cuidado com as palavras, linguagem corporal e emoções.

'Coopere agora, reclame depois'

Colaborar com a polícia e deixar as queixas para depois também estão entre as orientações que o advogado Eric Broyles tem difundido em igrejas de maioria negra de vários Estados americanos.

Broyles publicou nas últimas semanas com o policial Adrian Jackson o livro Encounters with Police: a Black Man's Guide to Survival ('Encontros com a Polícia: Guia de Sobrevivência para um Homem Negro', em tradução livre). Os dois autores são negros.

"As estatísticas falam por si: homens afro-americanos são mortos numa proporção muito maior que qualquer outro grupo populacional nos Estados Unidos", ele explica o título à BBC Brasil.

Broyles afirma que, desde a publicação do livro, foi convidado por cerca de 40 igrejas de maioria negra a dar palestras a seus fiéis.

Para o advogado, abordagens costumam terminar mal por causa de "brechas de comunicação ou de entendimento". "Muitos cidadãos não entendem que, quando aborda alguém, a polícia está geralmente investigando outros crimes", ele diz.

"Não estou dizendo que membros de minorias raciais não possam ser injustiçados nessas abordagens, mas pedindo que deem um passo para trás, mostrem que não são suspeitos e, se houver violações, lidem com elas na Justiça."

Broyles diz que quem confronta um policial perde força num eventual processo judicial. Segundo ele, apresentar queixas formais é a melhor maneira de buscar a punição de um agente e forçar a corporação a mudar suas práticas. "Se houver muitas reclamações, a polícia não poderá ignorá-las."

Em suas palestras, Broyles diz ter ouvido críticas de que seguir suas sugestões equivalia a "se curvar" à polícia.

Para muitos ativistas negros, a responsabilidade de combater abusos policiais é somente das corporações e não pode ser dividida com a população civil.

Para o pastor Thomas Bowen, porém, tanto a polícia quanto a população podem agir para melhorar as práticas policiais. "Podemos apontar os erros de alguns policiais e, ao mesmo tempo, mostrar aos nossos jovens como agir com base no que tem acontecido."

Segundo Eric Broyles, embora o combate aos abusos caiba principalmente à polícia, a população tem parte da responsabilidade. "Todos têm um papel em reduzir as tensões", afirma.

"A polícia não vai mudar da noite para o dia, então tento mostrar às pessoas como lidar com abordagens sem correr riscos desnecessários."


Fonte: Cartilha da Igreja Batista Shiloh (EUA) BBC Brasil

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Facebook Favoritos

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes