sábado, 13 de junho de 2015

Líderes mundiais acabaram de firmar um grande compromisso: livrar a economia dos combustíveis fósseis para sempre!

O acordo, fechado na reunião de cúpula do G7, é um grande passo na direção de uma vitória na cúpula de Paris. Em dezembro, poderemos unir o mundo inteiro em torno de uma mesma meta: um planeta sem combustíveis fósseis. Esta é a única maneira de nos salvar de uma catástrofe decorrente de mudanças climáticas.

No decorrer das últimas semanas, inspiramos Angela Merkel, presidente do G7 e chanceler alemã, a se tornar a verdadeira heroína ambiental que precisamos. Ainda não chegamos ao objetivo final, mas alcançamos um grande passo em sua direção, e hoje podemos comemorar uma vitória!

Enquanto celebramos, veja como chegamos a esse momento:

1º passo -- por dois anos, nossa comunidade organizou mobilizações públicas em todo o mundo em prol dessa meta: encabeçamos a gigantesca Marcha do Clima com 700 mil pessoas, recolhemos 2,7 milhões de assinaturas em uma petição pedindo energia 100% limpa, enviamos 250 mil mensagens a ministros do meio ambiente em todo o mundo na véspera de negociações importantes em Lima, no Peru, e fizemos dezenas de passeatas, reuniões, pesquisas e campanhas (tudo patrocinado por nossa comunidade). Tais atividades pressionaram os líderes na direção de metas ambiciosas de redução do uso de combustíveis fósseis, tanto a nível nacional quanto global.

Juntos, desempenhamos um papel central na alteração da dinâmica política sobre as mudanças climáticas, definindo o cenário para uma campanha de dois meses, impulsionada com toda a força na cúpula do G7 e com foco na chanceler alemã Angela Merkel e o fim dos combustíveis fósseis.

2º passo -- foco nos franceses: anfitriões da cúpula de Paris, o papel do governo francês foi crucial no G7. Nos encontramos várias vezes com o presidente francês, François Hollande, a ministra do meio ambiente Ségolène Royal, e o ministro de relações exteriores Laurent Fabius, além de outros membros do gabinete de Hollande. Entregamos as assinaturas de nossos membros a todos eles e defendemos nossa causa com argumentos fortes para as metas de longo prazo acerca de nosso clima.

3º passo -- centenas de membros da Avaaz acompanharam cada passo de Merkel nas semanas antes da cúpula. De Hamburgo a Berlim, passando por todo o percurso até a cúpula do G7, cantamos gritos de guerra para inspirá-la a se tornar a Chanceler do Clima. Merkel nos reconheceu e abriu um sorriso – a imprensa adorou e nossos heróis marcaram presença na mídia em todo o planeta!

4º passo -- entregamos pessoalmente nossa petição por energia 100% limpa aos ministros mais importantes da equipe de Merkel, e rumores de que não estávamos brincando chegaram ao seu gabinete.

5º passo -- expusemos o Japão e o Canadá como opositores. Este resultado foi inesperado: há alguns meses, não estava claro que o G7 sequer abordaria o tema, e países opositores como o Canadá e o Japão pareciam prestes a derrubar o acordo. Enquanto nossa comunidade no Japão enviou toneladas de mensagens para o governo japonês, arrecadamos milhares de pequenas doações ao redor do mundo para comissionar um anúncio enorme no Financial Times, além de pesquisas de opinião e uma campanha viral no Canadá, que em menos de dois dias foi vista 450 mil vezes no Facebook e YouTube!

6º passo -- a pedido pessoal de Merkel, nos reunimos com o conselheiro-chefe sobre mudanças climáticas de seu governo pouco antes da cúpula! Pudemos explicar em detalhes o que estes 2,7 milhões de membros da Avaaz queriam da chanceler. Segundo informantes, saber que contava com o apoio de um movimento tão grande como o nosso -- e que receberiam agradecimentos por levar a discussão adiante e não apenas críticas por falhas -- realmente fez a diferença para a disposição de Merkel a lutar pelo nosso objetivo!

7º passo -- não paramos nem por um segundo. Trabalhamos com Mark Ruffalo (o Incrível Hulk!) e aumentamos a nossa petição exigindo energia 100% limpa para 2,7 milhões de assinantes ao longo dos últimos dias, coordenamos sessões informativas com jornalistas no G7, fizemos perguntas em coletivas de imprensa e falamos com uma das vice-ministras de Merkel, para que ela fizesse disso uma prioridade. 

E agora, com a liderança de Merkel e do presidente francês, François Hollande, temos uma verdadeira vitória digna de comemoração!

E além de dizer adeus aos combustíveis fósseis, o G7 se posicionou fortemente quanto as mudanças climáticas, afirmando que as intenções para o acordo de Paris são:
  • Descarbonizar a economia global dentro de um século;
  • Assinar um acordo legal com força jurídica (algo também incrível!);
  • Batalhar para transformar o setor energético até 2050;
  • Meta de reduções de até 70% em emissões de carbono até 2050 (comparado a 2010);
  • Desenvolver um plano para mobilizar US$ 100 bilhões por ano para financiar projetos relacionados ao clima em países em desenvolvimento (outra grande vitória!);
  • Fornecer quatro vezes mais seguro e proteção para 400 milhões de pessoas dentre as populações mais carentes e vulneráveis impactadas pelas mudanças climáticas.
Há um ano, as mudanças climáticas pareciam um monstro que perseguia a humanidade e aumentava a probabilidade de nossa extinção, resultado de nossa própria estupidez e corrupção. 

Mas com esperança e boa estratégia (ou seja, com o efeito Avaaz :)), e graças aos esforços de muitos líderes, como a chanceler alemã Angela Merkel e o Papa Francisco, além de organizações como nossos amigos da 350 e à cobertura do jornal britânico The Guardian sobre o desinvestimento em combustíveis fósseis, e pesquisas incríveis de grupos como o World Resources Institute, a maioria dos especialistas agora acredita que a maré está virando. Estamos ganhando força para obter um acordo global em Paris no final do ano, o que irá colocar o mundo nos trilhos certos a caminho de uma solução. Será uma longa luta. Não podemos nos dar ao luxo de baixar a guarda. Hoje celebramos a vitória em uma batalha!

Temos ainda um longo caminho pela frente, e o mundo inteiro precisa entrar em ação. Vamos continuar pressionando. Isso significa colocar um milhão de pessoas nas ruas na Marcha do Clima de 2015, continuar a participar de reuniões internacionais para defender nossa meta, campanhas de lobby eficientes, mais trabalho a nível local para deter opositores e fortalecer mais heróis para o time de Merkel.

Paris, lá vamos nós!


Fonte: Avaaz

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Facebook Favoritos

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes