segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Violência de gênero afeta saúde reprodutiva das mulheres

As gravidezes não desejadas, infecções por transmissão sexual e os abortos espontâneos são mais frequentes nas mulheres que informam terem sido vítimas de violência em algum momento de suas vidas. Ante essa realidade, a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPS/OMS) difundiu um comunicado instando o setor da saúde — especialmente, os serviços de saúde sexual e reprodutiva — a envolver-se nas atividades dirigidas a prevenir e responder a violência contra a mulher.

"Esse é um problema de grande magnitude, com muitas implicações para a saúde”, afirma a doutora Carissa F. Etienne, diretora da OPS/OMS. "O setor da saúde tem um papel tanto na prevenção como na resposta”, assinalou e acrescentou que, para abordá-lo, também é necessário o envolvimento de outros setores.

A violência contra a mulher continua sendo um grave problema de saúde pública nas Américas, onde uma de cada três mulheres experimenta durante a sua vida violência física ou sexual por parte do seu companheiro ou violência sexual por parte de alguém que não é seu companheiro, e onde 20% das mulheres informam terem sido vítimas de abuso sexual quando eram crianças. As mulheres jovens entre 15 e 19 anos de idade são as mais expostas ao risco de violência física ou sexual por parte do seu companheiro, e muitas delas indicam que sua primeira experiência sexual foi um ato que não buscaram ou que lhes foi imposto.

Essa violência não só provoca lesões ou inclusive a morte, mas que ademais tem uma repercussão pouco reconhecida na saúde reprodutiva das mulheres, que se traduz em mais complicações na gravidez, assim como em gravidezes não desejadas, abortos espontâneos e infecções de transmissão sexual (ITS), incluído o HIV. Em alguns países das Américas, os níveis de gravidez não desejada são duas a três vezes maiores nas mulheres que informam terem sofrido violência nas mãos do seu companheiro, que naquelas que não passaram por isso. A perda de gravidezes é duas vezes maior nas mulheres que informam terem sido vítimas de violência, tanto que o risco de parto prematuro é 1,6 vezes superior.

Há estudos nos quais também se constata que a violência é uma causa importante de mortalidade materna. A violência infligida pelo companheiro foi a causa principal de morte materna — responsável por 20% dessas mortes — em três cidades dos Estados Unidos entre 1993 e 1998. Por sua vez, se comprovou que as hemorragias foram três vezes mais comuns nas grávidas vítimas de atos de violência em uma província do Canadá, em 2003. Entre 3% e 44% das grávidas na América Latina e Caribe informam terem sofrido atos de violência por parte do seu companheiro durante a gravidez.

O papel do setor da saúde

O papel do setor da saúde inclui entre outras cosas a coleta de dados sobre a prevalência de violência, que possam ser utilizados como insumo para a elaboração de políticas e a programação, e ao mesmo tempo capacitar seus trabalhadores a fim de que possam prestar uma atenção integral, sem emitir juízo algum para as sobreviventes da violência doméstica. Os trabalhadores da saúde deveriam de garantir às sobreviventes os serviços jurídicos e de apoio social. As estratégias de saúde pública deveriam incluir atividades dirigidas a mudar as normas sociais e os comportamentos vinculados à violência.

Ademais, no caso das mulheres vítimas de agressão sexual, os serviços de saúde deveriam avaliar sua necessidade de profilaxia contra o HIV ou as ITS, colocar à sua disposição meios anticonceptivos de emergência, oferecer abortos sem risco de conformidade com as leis nacionais (nos casos em que uma mulher chega aos serviços de saúde, quando já é demasiado tarde para a anticoncepção de emergência ou se esta fracassou) e proporcionar apoio em saúde mental.


Fonte: Adital

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Facebook Favoritos

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes